Lugares e Pessoas

Felicidade

Ontem foi meu aniversário, nestas datas gosto de parar e fazer uma balanço do que está acontecendo na minha vida.

Eu e minha filha fazendo molecagem.

Gosto muito deste assunto, felicidade, ser feliz, fazer feliz.

Afinal o que é felicidade? Como sabemos se somos felizes?

Ao longo de nossa vida estamos sempre questionando isso, mas qual o parâmetro ou a medida/ escala que podemos medir? Posso arriscar dizer a vocês que felicidade é a capacidade do ser humano de primeiro gostar de si, se aceitar, se aprimorar, evoluir, se você não gostar de você e ser grato pelo que conquistou a sua vida sera eternamente uma busca pela ceboura a sua frente, intangível, totalmente contemplativa.

Para você gostar do que você é precisa entender suas necessidades, criar metas, e achar uma vida equilibrada e harmonica. Precisa não achar que o que os outros vivem ou o que a midia impõe é a verdadeira felicidade. Vejo muita gente assistindo novelas e achando que será feliz quando se encaixar naquele padrao sendo monstrado na TV. Bullshit! Besteira.

Minha dica: Ache uma maneira de estar em harmonia, cuide do seu lado espiritial, ore, reze, faça Yoga, meditação ou o que achar mais a sua cara. Cuide do seu corpo, tente ingerir coisas mais saudáveis e tente fazer exercícios. Pode ter certeza que tudo a sua volta irar ficar mais colorido e mais simples. Diga não ao que não quer e diga sim ao que realmente te interessa.

Achei um texto bacana falando sobre este assunto.

“Temos que reconhecer a silenciosa felicidade a nossa volta, ser gratos à vida e por tudo que temos…

Viver em vida…

Certa vez, no último ano do ensino médio, minha professora de literatura, propôs um trabalho interessante. Sua proposta baseava-se em escrever um pequeno texto sobre que o que seria morrer lentamente, porém, logo de cara, quase que instantaneamente, o seguinte pensamento me veio à mente, antes de morrer, qual seria a definição de viver?.

Sem dúvida alguma, o conceito dessa palavra varia de pessoa para pessoa, de vida para vida, mas para mim viver é no seu sentido literal, usufruir das coisas da vida, sejam elas para nossa alegria ou aprendizado, até porque o aprendizado se constrói a cada passo seja ele em direção ao certo ou errado.

Na vida existem muitas coisas boas como a família, os amigos, a natureza e os frutos dessas relações.

A vida nos proporciona o conhecimento, a oportunidade de crescimento intelectual e físico, oferece também as artes que muito nos ajudam a montar o grande quebra cabeça que é a vida.

Mas para desfrutarmos dessas dádivas, temos que ter o básico de uma vida equilibrada, é preciso uma boa educação, a certeza que teremos alimento, agasalho, um teto e carinho acompanhamento familiar. O certo é que se não tivermos o básico estaremos sempre mendigando uma medíocre sobrevivência. Esses fatores talvez sejam os causadores de tanta desigualdade.

Os valores de nossa sociedade, infelizmente, seguem o conceito de que nossa felicidade está ligada a nossa capacidade de consumo, portanto se não tenho condições de comprar o mais caro e dito “melhor”, não sou feliz. Sendo assim tenho de sacrificar meu tempo de vida em busca de algo que me possibilite ter uma maior capacidade de consumo para que possa alcançar assim a dita felicidade.

A questão é que nessa busca perdemos um tempo que jamais voltará, e enquanto estivermos condicionados a esta ideia consumista, não estaremos vivendo, mas sim sobrevivendo.

Almejar uma vida melhor e confortável é um desejo nobre e deveria ser o desejo de todas as pessoas.

Porém, temos que saber reconhecer a silenciosa felicidade a nossa volta, se não formos gratos pelo que temos até então, tampouco seremos pelo que ainda vamos obter.

Por esses e outros motivos viver para mim é olhar mundo como ele realmente é, ao mesmo tempo ver além do físico, é explorar novos mundos novas culturas, e isso só o conhecimento e uma boa vivência, uma visão aberta e receptiva em relação à vida nos proporciona.

Portanto, deixar de viver vem a ser o oposto de tudo que acabo de dissertar, seria viver uma vida sem propósito, uma vida irresponsável, sem nortes, talvez apenas sonhos inalcançáveis… resumindo viver por viver.

A frase da grande escritora Martha Medeiros exemplifica meu pensamento a respeito do tema:”Morre lentamente quem não viaja quem não lê quem não ouve música e quem não acha graça de si mesmo”.

Essa frase, sem dúvida alguma, fala por si própria, e em resumo, a vida é um eterno bate volta, por isso saibamos aproveitar sabiamente seus dotes e simultaneamente lidar com suas situações inesperadas, para que assim a resposta, o retorno seja motivo de alegria e gratidão.

Que em cada sorriso, em cada expressão, possamos transmitir mais amor e vida para que assim possamos revolucionar nosso mundo e, consequentemente, o mundo de outras, e por fim, todas as pessoas.”

____________

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s