Lugares e Pessoas

Casos de família – avião

 

Casos de família

20120912-154537.jpg

​No dia Seguinte, ainda cedo, minha sogra ligou para saber como havia sido nossa viagem para casa dos meus pais, foi aniversário da minha mãe e resolvemos fazer uma surpresa, pois eles moram em outra cidade, um pouco distante. Quando contei tudo que aconteceu, ela não conseguia falar, ela só ria! Vou contar para vocês.

​Parece que sempre que tento organizar as coisas, fazer tudo antecipado, o destino me prega uma peça, não sei se ele esta brincando comigo ou me fortalecendo, me mostrando que a vida, muitas vezes não pode ser levada tão a serio.

​Irei contar a ultima que aconteceu quando fomos viajar de avião para a festa de aniversário da minha mãe.

​Sempre no aniversario da minha mãe estou enrolado e acabamos comemorando em outra data sua festa. Este ano resolvi fazer uma surpresa e levar toda a patota para São Paulo, mas desta de vez de avião, afinal, ir de carro é um teste de paciência, pois meus filhos vão no banco de traz travando uma batalha, e minha filha de tanto pular, sempre, mas sempre passa mal.

Capítulo 1 – A Passagem

20120912-154857.jpg

​O martírio começou na compra da passagem, nunca havia comprado passagem promocional, o conselho dos mais experientes (ou menos afortunados)era entrar no site das companhias em horários diferentes, noite, madrugada ou manha, ou seja, sair do horários das pessoas normais, pois desta maneira, encontraria as tão sonhadas passagens ” quase de graça” e ainda pagaria 1 real na volta, batata, isso que eu queria .

​Primeira tentativa foi bem a noite, as 22 hrs. Quando ficamos mais velhos 22 hrs já é tarde, então eu na minha ingênua presunção achei que
entraria e só teria que escolher o assento, sonho meu, fiquei até a 00:00hrs tentando comprar, mas nada. Nas pesquisas que fazia vinha de tudo, preços absurdos e rotas inexplicáveis como ir de avião até uma cidade do interior e de lá pegar um ônibus. Como assim? Depois de 1 hra ainda teria que fazer uma ” baldeação” e mais 2 hrs de ônibus? No way, não e possível que seja assim.

20120912-160736.jpg

​A segunda tentativa foi as 7 hrs da manhã. Antes de sair para o trabalho entrei novamente no site da companhia já pensando: Só eu mesmo para entrar esta hora, desta vez vai! Quase cheguei atrasado no trabalho, fiquei até as 8 da manhã e nada, só passagens indecentes. A este ponto já comecei a imaginar que era propaganda enganosa este negócio de passagem a preço popular. Comecei a achar que era mais fácil pegar uma carona na rena do papai noel que ser agraciado com estas passagens. Neste mesmo dia minha irmã me ligou avisando que já havia comprado, para eu não demorar a comprar, do contrario, iria acabar, acabar o que? Como assim?Onde ela comprou? Aquilo me perturbou, não sou um ignorante na internet mas estava fazendo um papelão frente a minha família, que exemplo eu dava aos meus filhos sobre persistência e exito? Ainda faria mais uma tentativa.

20120912-161017.jpg

​A terceira e ultima tentativa acordei as 3 hrs da manhã com a certeza do êxito, mas foi outro tiro na agua. Sem passagem, orgulho ferido, eu estava no fundo do poço. Minha querida esposa vendo minha baixa estima e minha decepção, resolveu tentar também, adivinhem? Conseguiu a bendita passagem, o problema era comigo mesmo.

20120912-161125.jpg

​Passagem na mão, malas arrumadas, agora só pegar o avião, 45 minutos estou em São Paulo , será?

Capitulo 2 – Vôo das 10:45.

​Partimos as 9 da manha, o avião partiria as 10:45, ou seja , estávamos tranquilos em relação ao horário, inclusive eu já havia feito o check in pela internet para não perder tempo.

​Os problemas começaram na já na estrada, pegamos um trânsito inexplicável e acabamos chegando no aeroporto as 10 hrs. Para piorar as coisas, me deu uma dor de barriga incontrolável , que me fez chegar no aeroporto sem pensar em outra coisa além das placas de banheiro. Perdi 10 minutos lá, que foi o suficiente para perdermos o avião.

Capitulo 3 – Vôo das 11:15.

​Fomos direcionados ao balcão da companhia aérea com a informação que teríamos que pegar o próximo avião, que sairia dai 20 minutos, mas que talvez tivesse que pagar a diferença da passagem. Meus deus! Depois de todos os traumas que vivi para comprar com desconto ia voltar a estaca zero? Mais uma vez salvo pela minha digníssima esposa, que conseguiu trocar as passagens sem ônus.

​Éramos o retrato da família feliz, cansados mas felizes, afinal, acabaria aquele tormento e chegaríamos a nosso destino. Já feito o check-in para o novo vôo, nos dirigimos para o raio x para pegar o avião.

​Passaram no detentor de metais sem problemas, minha filha, meu filho e por final minha esposa, agora era minha vez. Para não ter problemas já tirei o relógio, as moedas, chaves, celular e carteira mas, não foi o suficiente, aquela buzina continuava a apitar a cada vez que eu atravessava o detetor de metais. Tenho certeza que era um teste, naquele dia ou eu me tornava uma pessoa melhor, mais paciênte ou surtava de vez. Voltei uma três vezes, tive que tirar a sandália, o cinto da calça e algumas moedas que tinham sobrado no fundo do bolso.

20120912-162518.jpg

​Descalço, a calça caindo e sob o olhar de impaciência dos passageiros que esperavam a sua vez no detetor de metais, consegui passar e fui pegar minhas coisas. Acontece que a minha história não acabava por aí, faltava a minha mochila, não reparei que ela ainda estava passando no Raio X. Só percebi este fato quando um segurança chegou ao meu lado perguntando se aquela mochila era nossa. Fiquei aliviado, imagina esquecer a mochila com IPAD, celular, laptop. Quando tentei retirar a mochila da mesa o segurança me impediu e solicitou que abrisse a mochila me questionando se eu estava portando alguma arma ou objeto cortante. Deus! Porque? O que era desta vez? Qual era a mensagem entrelinhas que eu deveria estar captando? O que ainda faltava acontecer?

​Vasculhando a mochila achei em um compartimento que quase nunca uso um canivete suíço que havia perdido há muito tempo. Isso mesmo e agora? Olhei para minha familia e vi um lampejo de ódio saindo de seus olhos, até minha pequena princesa demonstrava um ódio infantil temporário pelo seu pai. Após tentar de todas as maneiras convencer o segurança a permitir minha entrada com o bendito canivete, acabei desistindo, mas quem acabou salvando novamente a situação? Claro minha digníssima esposa. Ela teve a ideia de sair do embarque e deixar guardado em uma loja até a nossa volta.

​Problema resolvido, nos encaminhamos para o portão de embarque, o problema era que o avião sairia as 11:15 e já eram 11:10. A cena seguinte era digna de uma foto, pois tínhamos exatos 5 minutos para chegar no portão 12 e estávamos no portão 1. Lógico que o portão estava no lado oposto ao nosso. Eu peguei minha filha no colo e corri o mais rápido que podia, ela gritava” Rápido papai, rápido”, enquanto isso meu filho disparou na frente para avisar que estávamos chegando.

​Ao chegar próximo ao portão 1, meu filho estava sentado na cadeira em frente, resmungando desolado e a porta do avião fechada. Meu Deus perdemos o avião novamente!! Nesta hora desanimamos, a viagem tinha acabado. Desta vez quem nos salvou foi a pessoa do balcão mesmo, vendo nosso desespero, avisou que teria um vôo as 11:45 e que trocaria nossas passagens. Pronto, mais uma chance.

20120912-164248.jpg

Capitulo 4 – Vôo das 11:45

​Neste momento eram 11:18 , tínhamos praticamente 30 minutos para chegar no avião, não sei como, em 10 minutos estávamos sentados dentro do avião, cintos afivelados pronto para a decolagem. Agora nada mais aconteceria. Engano meu, começaram a servir aquelas balas de caramelo ( Arranca Obturação) e claro, meu filho pegou 7 balas e minha filha mais 15.

​Enquanto as crianças comiam balas eu dava uma atenção a minha esposa, que havia sentado separado de nós, pois eram fileiras de 3 lugares e ela acabou ficando ao meu lado, mas com o corredor do avião nos separando.

Capitulo 4 – Dentro do avião

​Já estávamos até rindo de tudo que passamos, quando de repente, ouvi meu filho gritar ” meu dente!! meu dente”!! Não acreditei, o que era agora? Quando vi , o dente do meu filho grudou na bala e saiu, eu tinha na mão um dente encrustado na bala de caramelo. E agora? Fui descobrir, depois de muito gelo e água gelada, que tratava-se de dente de Leite e ja estava mole. Parecia pegadinha.

Para encurtar, após tudo isso, chegamos ao nosso destino, tivemos um maravilhoso final de semana e na volta após alguma turbulência ( Esta história fica para a próxima) estávamos novamente em nosso seguro lar. Não foi o primeiro e nem será o ultimo caso que teremos, hoje rimos de tudo isso, mas pelo menos passamos juntos.

 

4 comentários em “Casos de família – avião

  1. Brincadeira , tdo aconteceu nesse final de semana !!!!!! Mas tdo muito gostoso de se ouvir , sei q na real , não deve ter sido fácil !!!!!!! Mas deu oportunidade de vc partilhar e escrever esse divertido texto !!!!!!!!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s